quinta-feira, 24 de julho de 2014
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Titulo Original: Paper Towns
Paginas: 368
Ano: 2013


E aí pessoal, tudo bem? Depois de tanto tempo, voltei! Todo mundo sabe o sucesso que John Green esta fazendo, "A Culpa é das Estrelas" se espalhou mais do que qualquer livro nos últimos tempos, e teve uma grande aprovação de todos os tipos de publico. Nessa onda de John Green, hoje trago para vocês a resenha da próxima adaptação para o cinema, "Cidades de Papel".

O livro é narrado em primeira pessoa pelo Quentin Jacobse (ou apenas Q como seus amigos o chamam), desde de pequeno Q é apaixonado pela sua amiga e vizinha Margo Roth Spiegelman, eles sempre andavam juntos e um dia, ainda crianças, eles se deparam com um cadáver, nesse momento Q fica com medo, já Margo está toda curiosa querendo saber o que aconteceu e querendo investigar, depois disso eles se separam e não se falam mais.

Agora, estão no último ano do ensino médio, Margo é uma das garotas mais populares do colégio e Q, um nerd que anda com seus amigos, Ben e Radar. A paixão platônica de Q por Margo ainda existe, um dia sem esperar no meio da noite, Margo aparece na janela de Q vestida de "ninja", e o chama para um missão pela cidade, Q fica meio confuso com tudo no começo, mais aceita e tem uma noite ótima com Margo, isso o faz pensar que tudo irá voltar como era antes, mas Margo no dia seguinte apenas o ignora. Dias depois Margo desaparece e deixa pistas para Q encontra-la, e Q junto com seus amigos, faz de tudo e mais um pouco para encontrar sua misteriosa Margo.

Opinião pessoal: "Como de costume, um livro do John Green cheio de pegadas filosóficas, o que sempre me prende a seus livros. Dessa vez o que me chamou a atenção foi a mensagem passada em um certo momento do livro, que nos diz, que muitas vezes vemos as pessoas do jeito que queremos e não do jeito que elas são realmente, e muitas vezes gostamos delas apenas pela nossa idealização e não pelo o que realmente é. Minha parte favorita do livro é quando Q está viajando com Ben, Radar e Lacey, nesse momento me senti dentro da historia, onde a ansiedade e a sensação de estar viajando junto com eles tomou conta de mim. Enfim não darei spoilers mais, recomendo a leitura, apesar de não ser o meu preferido do John Green (ainda é "quem é você Alasca?" tem resenha no blog), uma leitura leve que lerá em poucos dias.

Frases: "Margo sempre adorou um mistério. E, com tudo o que aconteceu depois, nunca consegui deixar de pensar que ela talvez gostasse tanto de mistérios que acabou por se tornar um." Pagina 16

"Quanto mais eu trabalho, mais percebo que os seres humanos carecem de bons espelhos. É muito difícil para qualquer um mostrar a nós como somos de fato, e é muito difícil para nós mostrarmos aos outros o que sentimos." Pagina 227

 "É muito difícil ir embora - até você ir embora de fato e então ir embora se torna simplesmente a coisa mais fácil do mundo." Página 262

"Mas as coisas vão acontecendo… as pessoas se vão, ou deixam de nos amar, ou não nos entendem, ou nós não as entendemos… E nós perdemos, erramos, magoamos uns aos outros. E o navio começa a rachar em determinados lugares. E então, quando o navio racha, o final é inevitável. (…) Mas ainda há um momento entre o momento em que as rachaduras começam a se abrir e o momento em que nós rompemos por completo. E é nesse intervalo que conseguimos enxergar uns aos outros. " Página 358

0 comentários:

Postar um comentário



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Danielli Borgo e Daniele Heguedusch. Tecnologia do Blogger.

Tradutor

Populares

Seguidores

Siga por Email

Google+

Facebook

Twitter

Skoob: Dani Borgo

Blogs Parceiros

Anúncio